quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Novo ciclo - Here we go again

Resultado de imagem para here we go again

Ontem iniciou-se um novo ciclo. Dentro do previsto... dia 14 deixei a pílula, dia 17 veio a menstruação. Agora dia 29 vamos ver se o endometrio cresceu, o tamanho do folículo... aquelas coisas que não tenho saudades nenhumas de monitorizar. 

Quanto à histeroscopia, no dia do exame sangrei como se estivesse menstruada, no dia seguinte a hemorragia parou. Até ao dia de hoje o antibiotico tem sido simpático comigo e não me deu nenhum efeito secundário. Chama-se Bioquil... MEDO. Só em lembro de "Bio" (material biologico) "quil" (morte, embora morte seja kill). Estão a ver os caçadores de fantasmas dos Ghost Busterds de mochila às costas... pois eu imagino o Sr. Antibibiótico assim a exterminar a bichesa toda das minhas entranhas. Enfim... a minha cabeça já teve melhores dias como estão a comprovar.

Resultado de imagem para ghostbuster

Quanto à minha esperança neste ciclo, nesta TEC, mantém-se muito baixa. Aliás psicologicamente não estou preparada para uma nova transferência. Vou tentar já porque na realidade não sei se algum dia estarei preparada para passar novamente por spottings depois da transferência. E porque a vida tem que continuar... tenho que ter coragem para continuar. Além disso no final de Fevereiro espero mesmo ir esquiar, por isso não convém adiar muito isto. Aliás nada me garante que o endometrio esteja "bonito" para a TEC este ciclo, mas confesso que gostava que estivesse uma vez que levou uns valentes cortes para supostamente ajudar na implantação. Não sei se no próximo ciclo ainda terão efeitos os cortes. 

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Histeroscopia - check

Ainda escrevo este post meia zen da sedação. E na verdade com algum (bastante até) desconforto no baixo ventre. Abençoada sedação. 

Não estava tudo maravilhoso, mas não havia nada de anormal. Parece que tenho uma ligeira inflamação na útero e por isso vou tomar um antibiótico nos próximos 8 dias. Gostaria que essa inflamação fosse a causa para os meus spottings. Não sei se será, mas ainda bem que irá ser tratada. Ainda bem que fiz o exame. Não só por isso mas principalmente porque a Dra. fez o que chamam de injúria do endometrio, o que pelos vistos ajuda a implantação. Obviamente que vale o que vale, mas no ciclo que engravidei, no ciclo anterior tinha feito o teste ERA que também consiste numa injúria ao endometrio.

Hoje vou parar a pílula e dia 29/1 farei uma ecografia. Se estiver tudo bem faremos a TEC nesse mesmo ciclo. O meu nível de esperança mantém-se muito baixo. Mas tenho que tentar tudo por tudo. Vamos ver o que a vida tem reservado para nós.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Praticamente dois anos

Estava a consultar a App da IVI para confirmar a que hora tinha sido marcada a histeroscopia e resolvi explorar um bocado aquilo. Basicamente encontrei o histórico das marcações e reparei que a primeira consulta com a Dra. C. foi no dia 12/2/16. Praticamente dois anos. Praticamente dois anos! Fomos para essa consulta cheios de sonhos. De confiança que, de uma maneira ou de outra, poderíamos ter um filho. Nessa altura nem tinha a confirmação da minha mutação. Fomos simplesmente saber quais as opções para nós dado a mutação se confirmasse.

Nestes dois anos vi amigos, primos, colegas de trabalho, a ter filhos. Pessoas próximas e não próximas. E o meu coração foi gelando a cada dia que passa. Ouvi muita coisa... "pois, o importante são as viagens"; "andem lá antes que tenham idade para serem avós dos vossos filhos"; "antes tínhasse filhos, agora têm-se cães que são tratados como filhos"; entre outras pérolas... Sempre relevei estes e outros comentários pois as pessoas não sabem pelo que temos passado. 

Passados dois anos o sonho mantém-se. A confiança é que já era.  É passado.Neste momento a ideia de ter um filho encontra-se mesmo nesse plano... no plano dos sonhos. Dizem que são os sonhos que comandam a vida, e talvez seja por isso, por continuar a sonhar, que vou fazer mais 4 TECs, caso todos os embriões sobrevivam à desvitrificação. Neste momento continuo a minha luta interior em me preparar para um futuro sem filhos. Não tenho esperança que vou ter um filho. E isso dói. Dói mais do que em qualquer outra altura no processo até aqui.  

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

A ironia que é a minha vida

Durante muito tempo deixei que a minha vida girasse em torno dos tratamentos. Férias eternamente adiadas, ausências no trabalho praticamente de um dia para a outro. Obviamente que o meu patrão sabe da luta que tenho vindo a travar (o básico, só sabe o básico). Mas falava da ironia que é a minha vida. Desta vez que eu tinha decidido colocar-me a mim, ao meu marido, ao meu casamento, ao meu gilty pleasure que é esquiar em primeiro lugar, não vou poder ir no final do mês. Se fizesse muita pressão conseguia, mas adivinhem? Não posso gastar “créditos” com a minha entidade patronal pois ainda vou precisar de faltar muito este ano. 

Basicamente se estiver tudo bem no exame vamos mesmo começar a preparar a TEC. 

As férias na neve estão adiadas para o mês de fevereiro. Se não puder ir será por um bom motivo, mas a probabilidade de isso acontecer é tão baixo que vou é começar a ver os preços lá para meio do mês.

Já que falo nisto... hoje a infertilidade doeu-me. E muito. Tenho-me feito de forte. Até hoje consegui por tudo para trás das costas, mas hoje não dá. Hoje (por mais 30min até há hora do evento que tenho esta noite) vou permitir sentir-me miserável. Que caminho este que estou eu a percorrer... Se pelo menos me levasse ao destino desejado! 

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Histeroscopia marcada

Depois de um ciclo de 22 dias, uma fase lutea que não deve ter chegado aos 10 dias (obviamente sou eu a usar o conhecimento empírico que tenho sobre o meu corpo pois este ciclo não foi monitorizado), e com algum spotting pelo meio, desta vez na fase folicular... e aqui temos uma novidade, já temos a histeroscopia marcada para dia 15. Fui presenteada com a menstruação no dia 1, mas só hoje vou iniciar a pilula. Indicação da Dr. C.... a ideia era parar a pílula logo no dia do exame, caso esteja tudo bem, para preparar uma nova tormenta. Perdão, transferência. A novidade aqui é que não vou parar a pílula. Vou tomar a caixa toda. E isto porque no fim do mês, se obtiver autorização da entidade patronal para tirar férias, quero ir esquiar. 

O ano passado não fui esquiar, adivinham facilmente porquê, mas este ano não vou permitir que a infertilidade me prive de mais nenhum prazer na vida. Primeiro esquiar, depois nova tormenta. 

Sinceramente acho que a histeroscopia não irá trazer nada de novo a este processo. Será só mais um check que tenho que fazer na lista de obstáculos porque tenho que passar para encerrar este assunto. 

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Até nunca mais 2017

Chega esta altura do ano e é inevitável fazermos balanços e refletirmos sobre o ano que passou. 

2017 foi um ano em que o principal objetivo foi tentar ter um filho. O resto vocês já sabem... correu pessimamente e não me deixa saudades nenhumas. Na verdade estou desejosa que este ano termine. Não porque ache que 2018 será melhor, na verdade tenho um medo enorme de 2018 pois será o ano da constatação que a maternidade não será para mim (Pelo menos a gravidez). Deixa-me pena, imensa pena, porque um filho meu e do meu marido seria muito amado. Mas se não dá, paciência. Temos que aprender a viver com o que temos. 

2018 será o ano do tudo ou nada. O nada é muito mais provável que o tudo. O último ciclo foi um ponto de viragem para mim. Levou-me toda a esperança. Pretendo transferir os 4 embriões restantes (por mim seriam 2 de uma vez para acabar com isto depressa, mas o meu marido também tem uma palavra a dizer e ele não concorda em transferir 2... acho que ainda tem alguma esperança que algum dia irá correr bem, ao contrário de mim!), e depois assunto encerrado na minha vida. Talvez a adoção seja uma opção... talvez não... ainda temos que refletir sobre o assunto.

Para vocês minhas queridas amigas desejo-vos o melhor! 
Desejo que o vosso maior sonho se realize, de preferência rápidamente e sem mais desilusões.
Para mim, se é que posso pedir alguma coisa, apenas peço serenidade para viver com a ausência de um filho.

Feliz 2018 minhas queridas! 

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

State on mind

Quotes About Crushes On a Guy | Cute Quotes For Your Crush Crush quotes 29 mar 2013
Após (mais) um tratamento falhado é inevitável fazermos uma reflexão sobre o assunto. 

Tenho imensa pena não de ter nada bonito para escrever. Neste momento, em matéria de fertilidade, a minha vida é uma miséria. 2017 foi um ano muito difícil e tenho alguns motivos para crer que 2018 não será diferente. Gostaria que a histeroscopia me desse a resposta para tanto insucesso. Mas acho que não dará.  

No início de 2017 escrevi algures por aqui que este ano seria crucial para o bem ou para o mal. E na verdade foi... foi para a o mal. Em 2018 pretendo transferir os 4 embriões restantes, se todos sobreviverem à desvetrificação. Esgotados os embriões teremos que tomar uma decisão. Quem sabe a mais difícil de todas. A decisão de parar com os tratamentos. De adotar uma criança. De ficarmos só os 2. Não sei... ainda não faço ideia o que iremos decidir. Também não está excluída a hipóteses de uma nova doação. 

No entanto tenho tentado arranjar um sentido diferente para a minha vida. Somos educados, principalmente nós mulheres, que o sentido da nossa vida é sermos mães, é educarmos uma criança, formar uma família. Neste momento tento aceitar que viverei à margem desse prototipo. Hoje compreendo bem um amigo meu que é homossexual e por esse motivo se auto excluiu do grupo. No domingo tive o tradicional almoço de natal com os meus amigos de infância, e ao ver todos com suas lindas famílias, percebi porquê que o meu amigo se afastou... é lixado não pertencermos ao protótipo. Sem as pessoas se aperceberem excluem-nos do grupo. Ou então somos nós que sentimos que não pertencemos ali. Muitos ainda não têm filhos, mas certamente os terão quando quiserem. Não é o meu caso.

Vejo que o meu marido, embora me diga que ainda está otimista, também a ele este percurso levou a esperança. Diz que temos que partir do princípio que seremos só os dois, o que vier por acréscimo será muito bem vindo. Se vier. Se não vier só temos que ser felizes os dois. 

Ainda não estou preparada para encerrar este assunto. Mas a ideia de não ter filhos começa a ganhar algum espaço na minha vida. Viverei sempre à margem de muitas alegrias, de muita coisa na vida. Mas talvez venha a ganhar outras coisas.