sexta-feira, 21 de julho de 2017

2ª Eco - 8 semanas

Hoje o meu coração sossegou mais um bocadinho. Está tudo bem. Tudo ótimo.

Hoje ouvi o coração do meu embrião pela primeira vez. E que forte que ele bate! Conseguimos ver todas as partes devidamente diferenciadas e o que mais me impressionou foi o cordão umbilical já devidamente a ligar-me ao meu embrião! Embora seja confuso, há vida dentro de mim! Este embrião não tem o meu código genético, mas agora está ligado a mim, e eu vou fazer tudo que estiver ao meu alcance para que seja por muito, muito tempo. 

Quanto às perdas a Dra. C. reforçou que o mais provável é serem do colo do utero. Não há absolutamente nada na ecografia que sugira que sejam de outros local. Não há o mínimo sinal de descolamento e o desenvolvimento embrionário é compatível com a 8ª semana. Não poderia estar melhor. Que alívio...

Hoje tivemos alta da IVI. E eu fiquei nostálgica... foram viagens praticamente semanais para lá. Foi lá que tudo se passou e é lá que pretendo voltar (mas só lá para 2019!). Só espero que corra tudo bem até lá... Nunca esquecerei a importância que a Dra. Catarina Godinho teve neste processo. Já li algumas críticas à clinica e a ela que tenho que publicamente discordar. O meu tratamento foi complacente personalizado e individualizado. A Dra. soube dirigir o processo de forma a ter sucesso, adaptando o protocolo após o aconselhamento do exame ERA que no meu caso foi fundamental, já para não falar na disponibilidade para nós, mesmo estando de férias. Não poderia estar-lhe mais agradecida e feliz por nós ter calhado ela quando marcamos consulta na IVI. Ainda hoje estava lá um casal com uns gémeos de 2 anos que apenas passaram lá para cumprimentar a Dra. e mostrarem os bebés... 

Obviamente que eu sei que nada está garantido. Ainda faltam umas semanas para passar o período crítico do primeiro trimestre. Para já vamos manter este milagre para nós os dois. Mas talvez hoje já me permita sonhar um pouco. Talvez passemos a ser uma família feliz de 3 humanos e 1 cão brevemente. 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

5 semanas após a transferência

Independentemente do que possa vir a acontecer, chegou a hora de agradecer.

Como já fui partilhando por aqui, estás semanas não estão a ser maravilhosas. Já sabia que se algum dia conseguisse um positivo, iria ser complicado, mas está a ser mais do que imaginei. A verdadeira emoção disto tudo chegou com o positivo. Objetivamente a única coisa que pode ser preocupante são as manchas de sangue que por vezes me acompanham. Sempre as tive, se se tratassem de um aborto talvez ja tivessem sofrido alguma alteração, aumentado, não sei... sei que vivo aterrorizada com isso. A verdade é que mesmo se não as tivesse estava aterrorizada. Foi muito tempo e emoção investidos para chegar onde estou... o medo de perder é imenso. Tudo isto para explicar que, apesar de tudo, estou imensamente agradecida por estar onde estou. Quando vi as duas riscas no teste de gravidez, fiz as pazes com a minha fé. Fé essa que reneguei há muitos anos atras, ainda crianca, quando o diagnóstico de uma doença genética hereditária chegou à minha família. Esta criança terá essa importância para mim... Graças à ciência terei de alguma forma, vencido essa doença. 

Muito mais tenho a agradecer. Mas para já não posso alimentar grandes esperanças. No outro dia ao jantar o meu marido começou a falar de nome daríamos a este embrião... nunca falamos sobre isso antes, mas ele está tão confiante que pensa que já nós podemos dar a esse luxo. Embora tenha partilhado com ele os meus gostos, não estou à vontade para ter esse tipo de conversa. Não ainda...

Vamos ver o que a ecografia de sexta nos reserva. Será no dia que chegaremos à 8ª semana (caso corra tudo bem até lá).

quarta-feira, 12 de julho de 2017

4 semanas após a transferência

Por cá continuamos na mesma. As perdas continuam. Embora a Dra. C. ter dito que são do colo do útero, mesmo estando tudo muito bem na ecografia, eu não estou descansada. Estou em constante luta entre o racional e o emocional. O racional diz-me que há 6 dias atras fiz uma ecografia onde estava tudo bem, as perdas não aumentaram, houve até dias que estiveram ausentes, a médica disse-me que eram do colo do útero e em nada influenciavam o desenvolvimento embrionário. Sempre tive tendência a sangrar e já me tinham diagnosticado coloco útero friável mesmo antes da saga da infertilidade. O emocional diz-me: sangue e gravidez não combinam. 

É assim vou vivendo nesta angústia. E até estou de férias, muito desejadas e com grandes planos que estão a ser adaptados (e ainda bem!!) dado o meu estado atual de grávida. Acho que posso considerar esse o meu estado. Embora não sabendo se será por muito tempo (nunca se sabe não é verdade?!)

Quanto a sintomas, tirando as mamas que aumentaram de volume e a vontade constante de fazer xixi, não há nada a registar. Houve uns dias que a indisposição tomou conta de mim, mas já há muitos dias que me tenho sentido bem, normal. No próximo dia 21 é dia de ecografia... só espero que corra tudo bem até lá. 

quinta-feira, 6 de julho de 2017

1ª Eco - 5 semanas e 5 dias

Para já posso dizer que está tudo bem. 

Quanto às perdas a Dra. C. confirmou as nossas suspeitas, são do colo do útero. Em nada interferem com o desenvolvimento embrionário. Eu sempre tive o colo do útero friável, agora que está super irrigado lá vai sangrando de vez em quando. Não é motivo para preocupação. Claro que fiquei mais sossegada, embora preferisse que elas não existissem. Mas claro que estou mais descansada. 

Agora o que realmente interessa, o saco estava lá grande e forte segundo a Dr. C. Já se começa a ver a vesícula vetelina e já vimos um pontinho a piscar. Tudo normal para esta fase da gestação. Que alívio. 

Acho que agora vou poder respirar um bocadinho e aproveitar esta boa nova. Dia 21 temos a última ecografia com a Dra. C. Esta ecografia já não precisava de ser feita na IVI mas como vamos estar de férias min Algrave, tanto faz vir para cima sexta ou sábado ou domingo e optamos por vir na sexta e fazer a eco lá com a minha querida Dra. C. Agora acho que chegou a hora de arranjar um obstetra no Porto para fazer o acompanaento... alguma sugestão? 

Hoje é um dia feliz! 

quarta-feira, 5 de julho de 2017

3 semanas após a transferência

Este semana tem sido um turbilhão de emoções, e ainda pode piorar bastante na consulta de amanhã.

Não fossem as manchas rosadas que continuam por cá, chegando a ser mais intensas que nos primeiros dias, e acho que teria sido uma semana feliz. Já tive momentos de pânico, que me apeteceu ir a uma urgência. Mas não fui...resolvemos esperar por a consulta com a Dra. C. Pouco adiantaria ir a uma urgência, nesta fase. Evidentemente que se fosse uma hemorragia acompanhada de dores e com sangue vermelho vivo, iria. Mas assim... fico perdida sem saber o que fazer. Na verdade nunca passou de manchas no papel higiénico, embora às vezes sejam bem marcadas O meu marido continua a achar que vai correr bem. 

Basicamente estou perdida neste momento. Quero muito, muito mesmo que corra bem. Dou por mim a pedir a Deus (eu que já não acreditava nele) para que este embrião não desista de mim. Quando a medicina pouco pode fazer por nós, só nos resta o transcendente. Só queria adormecer e acordar quando me garantissem que ia correr tudo bem. Infelizmente isso não irá acontecer.

sábado, 1 de julho de 2017

Não sei muito bem que título dar a este post

Queria escrever qualquer coisa, mas não sei muito bem que título dar a este post.

Por cá continuamos na mesma, ou melhor, ligeiramente na mesma. Segundo a aplicação que instalei (e que sinto que não devia ter instalado dado o estado muito inicial desta gestação) hoje inicia-se a 5ª semana. Não sabia, mas quando se sabe do positivo ganhamos logo mais duas semanas para somar à data da transferência. O que foi convencionado para todas as gestação (incluindo as resultantes de PMA) é que a data inicial da gestação é a data da última menstruação. Daí iniciar-se hoje a 5ª semana. 

Quanto a sintomas, tenho a juntar ao que já referi antes, a indisposição. É uma coisa estranha porque, não tenho vontade nenhuma de comer, mas sinto que o meu estômago pede comida com frequência. Não sei explicar muito bem. Mas hoje bateu forte está indisposição... nem me falem em comida! As manchinhas rosadas no papel higiénico ora estão presentes, ora não. Não considero sequer corrimento porque só aparecem mesmo no papel higiénico. Já me preocuparam mais, mas continuam a incomodar-me.  

Hoje faz uma semana que vi pela primeira vez as duas risquinhas no teste de gravidez. E que dia feliz que foi... mas disfrutar desta boa nova, não consigo. Tenho demasiado medo do que o futuro me reserva. Tem alturas que até acho que está tudo bem, que vai correr tudo bem. Mas tem outras... De uma maneira geral até tenho conseguido manter-me positiva. Tento fazer o que posso... não faço esforços, bebo muita água, e basicamente é isso. O que tiver que acontecer, acontecerá. 

quarta-feira, 28 de junho de 2017

2 semanas após transferência

Sei bem, bem demais, que as coisas más não acontecem só aos outros. E por isso é que não consigo disfrutar disto. Desde que sei o resultado do beta que estou cheia de medo. Tenho demasiado medo que não corra bem e tenha que passar por um aborto... é só este azar que me falta no rol. 

Eu sempre soube que se um dia conseguisse um positivo ia ficar ansiosa. Mas não pensei que fosse tanto. Isso e o papel sair rosado, várias vezes, quando vou à casa de banho deixam-me muito preocupada. Por mais que o meu marido diga que é normal (andou a informar-se) e diz que o mais provável é ser o meu útero a adaptar-se a todas as alterações que está a viver, eu não consigo estar confiante.  

A Dra. C. ficou muito, muito satisfeita com o resultado da analise. Não mandou repetir a análise e marcou eco para o próximo dia 6/7. Será que o meu coração vai acalmar depois da eco?  Será que não vai acontecer nada de mal até lá? Já pensei em repetir o beta, mas o meu marido não concorda... diz para eu confiar na Dra. C. Nas gravidezes normais só se faz um teste de gravidez e aguarda-se uma eco. O meu problema é que não é uma gravidez normal... não sei se algum dia será.

Quanto a sintomas, para mais tarde recordar já que este blog tem acompanhado toda a minha historia em busca de um filho, são os seguintes:
- Sede. Muita sede. Estou sempre com a boca seca. Penso que é o meu corpo a pedir-me que o hidrate. Como tal bebo muita mais água o que ela a...
- Constante vontade de fazer xixi. Pelo menos de hora em hora.
- Falta de apetite. Pode muito bem ser da ansiedade.. Já perdi 1 kg.
- O tal malfafado papel rosinha que me atormenta.

Gostava de estar feliz. Ou melhor, eu estou feliz. Muito feliz. Dou por mim a sorrir feita palerma. Mas estou com tanto medo que não consigo disfrutar. Ainda é tudo muito novo.